Skip to content Skip to footer

Alunos do 1.º ciclo com dificuldades na escrita e interpretação de textos

A

pós dois anos letivos fortemente marcados por confinamentos, máscaras e aulas online, as acrescidas dificuldades dos alunos do ensino básico não foram surpreendentes para as associações de pais e professores.
O mais recente Estudo de Aferição Amostral do Ensino Básico 2021 – Descrição Qualitativa dos Desempenhos, realizado pelo Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) através das respostas dadas nas provas de aferição por cerca de 49 mil alunos confirmou o que já se pensava no ensino português: existem dificuldades na leitura e escrita por parte das crianças.

Ao DN, o vice-presidente da Associação Nacional de Professores (ANP), Manuel Oliveira, explicou que “os últimos resultados das provas de aferição demonstram dificuldades a nível da língua portuguesa em sínteses de textos e ainda alguma dificuldade na escrita e na leitura”, tendo em conta os dados disponibilizados pelo IAVE em relação aos alunos do primeiro ciclo de escolaridade.

Segundo o vice-presidente da ANP, “a leitura tem sido sempre uma preocupação dos professores. Apesar de muitos alunos terem uma leitura de qualidade, muitas vezes notam-se dificuldades em compreender aquilo que estão a ler”.
De acordo com o IAVE, apenas 7,8% dos alunos do 2.º ano responderam de forma completamente correta quando lhes foi pedido que fizessem uma análise e avaliação do conteúdo de um texto. Aliás, mais de metade dos alunos (51,9%) deu uma resposta incorreta e 17,9% nem tentou responder, segundo o presidente do IAVE, Luís Pereira dos Santos.

Em relação à leitura, também foram identificadas dificuldades em conseguir retirar informações de um texto, sobretudo “quando as informações em causa não se encontram ordenadas cronologicamente”.  
Manuel Oliveira conta que estes resultados não são novidade e que há muito tempo que se registam este tipo de dificuldades, contudo, “sem dúvida que, com os efeitos da pandemia, foram ainda mais afetados”.

Em relação às provas deste ano, que terminaram a 20 de junho, o responsável da Associação Nacional de Professores admite que “muitos professores acreditam que as provas de aferição não deveriam ter sido realizadas este ano, mas provavelmente no próximo. No entanto, os resultados das provas poderão servir para o Ministério da Educação adotar mais medidas no sentido de colmatar as aprendizagens que não foram recuperadas devido à pandemia”.   Manuel Oliveira reforça, no entanto, que “a pandemia ainda não acabou” e as estratégias do Plano de Recuperação de Aprendizagens 21/23 Escola+ do Ministério da Educação devem ser alargadas.

Já Mariana Carvalho, presidente da direção da Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP), confessa ao DN que os resultados foram “expectáveis”, depois de dois anos letivos marcados pela pandemia. “As provas foram um diagnóstico de dois anos complicados em que muitas escolas estiveram fechadas e numa altura em que tanto a comunidade escolar como as famílias tiveram de se reinventar”, diz. Mariana Carvalho considera ainda que as dificuldades já existiam, mas que os confinamentos “vieram evidenciar algumas das desigualdades”. Isto porque, “durante a pandemia, apesar dos esforços, muitos alunos acabavam por não conseguir acompanhar na escola online”, explica.

Atendendo ao Plano de Recuperação de Aprendizagens, defende que é importante dar lugar à saúde mental, em conformidade com a recuperação de conhecimentos de Português, Matemática e Estudo do Meio. “Importa aqui cuidar também da saúde mental e emocional dos alunos, professores e famílias, porque a recuperação de aprendizagens não é só nos conhecimentos essenciais, mas também no ponto de vista da socialização. Tendo em conta as crianças que ficaram muito tempo fechadas em casa, a recuperação é muito mais do que aprender a ler, escrever, somar ou subtrair. É necessária uma recuperação num todo”, justifica.   Logo, é fundamental “uma rede de apoio a toda a comunidade e promover atividades multidisciplinares, ainda que a estratégia tenha de ser focada caso a caso”.

Em vista aos próximos anos letivos, a presidente da CONFAP acredita que “não vamos simplesmente voltar à normalidade da pré-pandemia, mas que possamos encontrar um conjunto de sinergias entre o “antes” e o “agora” para construir o futuro da Educação”, sublinha.
Quanto à falta de professores que se faz sentir por todo o país, ambos os dirigentes admitem que esse não é um problema evidente no primeiro ciclo do ensino básico. “No primeiro ciclo parece-me que a esmagadora maioria dos alunos tiveram as suas aulas desde o início. Essa dificuldade a nível do primeiro ciclo não tem grande repercussão, apenas acontecem algumas situações esporádicas”, diz Manuel Oliveira. No entanto, Mariana Carvalho refere que “a CONFAP tem tido conhecimento que existem faltas de alguns professores de apoio e de necessidades educativas especiais”.

Fonte: https://www.dn.pt/sociedade/alunos-do-1-ciclo-sentem-dificuldades-na-leitura-escrita-e-interpretacao-de-textos-14975667.html

Centro Psicopedagógico de Coimbra e Clínica de Saúde

Estrada da Beira, nº 318, Alto de São João
3030-173 Coimbra

Newsletter

Centro Psicopedagógico de Coimbra © 2022. Todos os Direitos Reservados.